BODYBOARD FOR GIRLS

Notícias

 

ANNE LACOSTE É A CHICK EM DESTAQUE

Vem de França e tem uma pica imensa. Fica a conhecer a Anne.

+

Nome: Anne-Cécile Lacoste

Idade: 30 anos

Local: Sudoeste de França, Arcachon

Club / E: Ocean Roots Surf school

Praticas Bodyboard desde: 1998

Cor favorita: Azul

Prancha favorita: Milk

Onda favorita: Salsa Brava , na Costa Rica

Qual o teu maior sonho: ver todas as pessoas que amo e me rodeiam felizes sempre.


É uma cara nova em campeonatos, mas uma miúda cheia de energia e boa onda.

cabou de descobriu um novo caminho no Bodyboard que a levará aos 4 cantos do mundo em 2012.

Como não nos foi indiferente a sua historia, decidimos partilhá-la convosco.


1. B.C. Há quanto tempo praticas Bodyboard?

A.L. Faço Bodyboard há 14 anos.


2. B.C. Como é que tudo começou?

A.L. Quando ia de férias com os pais para a praia passavas horas na água com o meu irmão e primo. Um dia o meu pai comprou uma prancha de Bodyboard e desde esse dia fiquei apaixonada por este desporto incrível.


3. B.C. Qual a razão de haver poucas raparigas em França a competir internacionalmente?

A.L. Apesar dos dois últimos campeões do mundo serem Franceses, o Bodyboard não tem assim tanta notoriedade no país. Como é óbvio, o Bodyboard feminino ainda tem menos e logo existem menos meninas a praticar a modalidade.

O Circuito Nacional também não ajuda muito no desenvolvimento, pois além de poucas provas é bastante pobre.

Assim as poucas miúdas que praticam Bodyboard acabam por não competir muito, aproveitando as ondas que existem e França, deixando a competição de lado.

No entanto criei com umas amigas surfistas, um grupo de raparigas que se chama Mermaid (ver em www.mermaid.com) e tentamos organizar aulas grátis de Bodyboard e dias de surf juntas, aberto a todas as raparigas que pretender vir, de forma a desenvolver o desporto no feminino, como faz o Boogie Chicks.

Na esperança que isso as motive, poderemos ver em breve mais francesas a competir.


4. B.C. O ano passado tomaste um novo rumo na tua vida de Bodyboarder e decidiste competir no tour mundial.

A.L. Sempre preferi o free surf, no entanto fazia alguns campeonatos, mas nunca de uma forma muito séria. Além disso, tinha um trabalho que me impedia de poder participar em grande parte dos campeonatos que havia ao longo do ano.

A ano passado como ganhei o campeonato francês, fui selecionada para representar o meu país na seleção Mundial da ISA, nas Canárias, onde aliás ganhámos o titulo por equipa e ainda consegui um excelente 2º lugar.

Todo este acontecimento fez-me mudar a minha mente sem que me desse conta e pensei que até poderia conseguir também bons resultados a nível mundial.

Quando regressei a França, tive a sorte incrível, que o meu patrocinador de pranchas “Milk Bodyboard”, que é também dono de uma Bodyboard shop onde trabalho, me propor uma excelente maneira de eu poder fazer o circuito mundial e quando estou em França trabalhar na sua loja. Uma oportunidade que não pude recusar! Por isso quero aproveitar a ocasião e concentrar-me neste novo projeto, assim como treinar muito para poder estar em forma.


5. B.C. O que achas do nível de Bodyboard Feminino mundial?

A.L. Vejo que há imenso nível e adoro surfar e partilhar os bons momentos com mulheres que têm a mesma paixão que eu.
Estou a aprender em cada evento, olhando como elas surfam. É muito bom e interessante.

O que acho de menos bom é não haver dinheiro para este desporto no feminino e saber que há muitas meninas pelo mundo fora que têm um excelente nível, mas que não conseguem fazer o tour mundial por falta de verbas.


6. B.C. Em 2012 vais fazer todas as etapas do Tour Mundial?

A.L. Como já referi anteriormente a Milk Bodyboard vai-me apoiar no Circuito. É um sonho que realizo e estou muito, muito feliz e vou desfrutar cada momento. Acabo de regressar agora do Hawaii, onde tive uma experiência inacreditável e em poucos dias estou de partida para a Ilha Reunião e Austrália. Nem acredito!!! É de facto um presente de Deus.


7. B.C. Que resultados pretendes alcançar? Ou tens outro objetivo diferente?

A.L. Não tenho pressão de resultados. Vou procurar fazer o melhor que posso e dar tudo em cada heat. Se passar fico feliz, se não também ficarei!

Poder fazer o circuito já é para mim uma conquista.

Como não tenho seeding acabo por entrar logo nas primeiras rondas e se conseguir passar para o main event será uma sorte poder surfar ao lado das melhores do mundo. Isso será para mim um privilégio e será uma recordação que ficará guardada no meu coração de certeza. No entanto não escondo a vontade de querer ficar bem classificada nos eventos da Ilha Reunião e Austrália.


8. B.C. Uma mensagem para todas as raparigas que vão ler a tua entrevista.

A.L. Desfrutem cada momento da vossa vida e pensem sempre positivo. Cada problema é um obstáculo e tem uma solução que temos de aprender para seguir em frente. Se tens sonhos, nunca te esqueças que com paciência, motivação e amor tudo é possível.

Fotos

-